fb (1) youtube (1)

003 small 

WOD 160203

A grande maioria da comunidade do CrossFit Brasileiro sabe que vim do esporte, minha vida toda, 60% do tempo estava treinando, e hoje, como Headcoach de CrossFit, passo grande parte dos meus dias treinando pessoas.

Sabe por quê? Porque o esporte muda a vida das pessoas, e isso foi o que mais me chamou atenção no CrossFit: a capacidade de mudar drasticamente a vida das pessoas.

Dentre essas mudanças, uma das grandes lições que o esporte traz às pessoas é sobre ética.

Se ensinado de maneira correta, o esporte pode desenvolver na pessoa, desde criança, conceitos fundamentais da importância em se ser honesto e de que, nem sempre, se sairá vitorioso na vida. Estes são preceitos presentes no esporte, mas que, ultimamente, vêm sendo pessimamente trabalhados no CrossFit Brasileiro.

A queda da máscara de Lance Armstrong, que sempre foi um modelo de moralidade e pureza no ciclismo, mas que se revelou tão ou mais fraudulento que os outros competidores, é um exemplo de que fazer o que todos fazem não o torna menos criminoso.

A sociedade brasileira é tomada pelo conceito de que os fins justificam os meios. É o mau exemplo político de que não interessa com quem se faça a aliança, desde que se vença as eleições. É o tal de “temos de ganhar, nem que seja de forma honesta'', como se o princípio basilar e corriqueiro fosse a desonestidade.

O CrossFit, por meio de seu espírito de comunidade, tem como grande virtude ser um formador de caráter. Na comunidade do CrossFit, os atletas são o expoente máximo disso tudo, sendo eles um exemplo de como transferir tais aprendizados para a vida “fora do Box”.

Em uma competição, como o Open, devem vencer os mais bem preparados, não os trapaceiros.  A típica veneração ao “jeitinho brasileiro” (malandragem) é o que há de mais absurdo e oposto dentro da essência do CrossFit e seus ensinamentos.

Quando um Box cogita trapacear, corromper a arbitragem ou até mesmo a organização de uma competição, conclui-se que ética é uma palavra que não consta no vocabulário desse Box. Ou, pelo menos, que está colocada num segundo plano. 

Eu acredito em jogar limpo. Isso porque o esporte, especialmente o CrossFit, pretende extrapolar “as paredes do Box”, moldando e influenciando a vida diária de seus praticantes. Fico indignado quando um atleta tenta enganar o árbitro ou um Box tenta burlar as regras para com isso obter vantagens sobre colegas e outros profissionais da mesma área.

Você contrataria um funcionário que afirma que mentiria para conseguir o emprego? Você iria em um médico que não liga para a vida? Você treinaria com um Coach que diz que rouba no WOD?
Não fechem seus olhos, se ele é desonesto com a própria profissão, acha que ele é realmente capaz de cuidar da sua performance? Cuidar da sua vida e da sua saúde?

Segue nosso Wod:

For time
400m correndo
30 HSPU
400m correndo
20 HSPU
400m Correndo
10 HSPU

3,2,1 Go
Luiz Martins

Comments